NewsLetter:
 
Pesquisa:

Combate #2 – Edição Especial
Por José Salles
18/09/2006

Dentre tantos formidáveis mestres da HQ nacional que ilustraram gibis de guerra nos anos 1960 e 70 (quando material deste tipo era muito vendido nas bancas), um dos mais notáveis quadrinhistas deste gênero foi Ignácio Justo – e é exatamente dele a presença marcante nesta Edição Especial #2 da revista Combate, o título mais famoso e vendido da Editora Taíka durante este período. Destaque para a capa deste gibi (imagem ao lado), literalmente uma pintura (ao que parece, óleo sobre tela) reproduzida para deslumbre dos leitores de então e para sortudos como eu que conseguem encontrar esta preciosidade em sebos de usados.

Lançada nas bancas brasileiras por volta de 1970, Combate #2 – Edição Especial tem 64 páginas apresentando HQs desenhadas por Justo e também por outro gigante dos quadrinhos nacionais, Salatiel de Holanda, além da participação de roteiristas de peso como Alberto Paroche e Rubens Francisco Luchetti. As seis historietas aqui reunidas refletem os tempos da Segunda Guerra Mundial, onde os autores demonstram grande conhecimento e pesquisa histórica sobre o assunto (especialmente sobre os veículos e armamentos usados em combates), mas se dedicam principalmente a focar o lado humano dos protagonistas dos conflitos. E é sobre a amizade o tema da primeira HQ desta revista, escrita e desenhada por Salatiel de Holanda e chamada Os Voluntários, mostrando a união entre três pilotos aliados de diferentes nacionalidades: um brasileiro, um mexicano e um australiano, unidos contra as forças aéreas japonesas, numa batalha onde o instinto de sobrevivência é decisivo.

A segunda HQ, chamada Auxílio (imagem acima), escrita e desenhada por Ignácio Justo (e arte-finalizada por Salatiel de Holanda), é de uma fidelidade histórica comovente – e algo impensável de ser publicado nos dias de hipocrisia politicamente correta de nossos tempos. Auxílio mostra um grupo de soldados da FEB (Força Expedicionária Brasileira) em confronto com soldados alemães em terras italianas. Além de toda a ação que uma HQ desta requer, Justo procura mostrar aspectos históricos que hoje são renegados de má fé por certo tipo de acadêmicos. Fatos como a dignidade dos soldados nazistas nos campos de batalha, e a fervorosa adoração da população italiana pelos pracinhas da FEB – coisa que se dá até hoje, como podem comprovar os estudos sérios de César Maximiano, ou mesmo a partir de relatos de turistas que visitam os vilarejos italianos que foram palco de confrontos na Segunda Grande Guerra. Buoni i bravi ragazzi... talvez os pracinhas da FEB ainda vivos devessem se mudar para a Itália, pois ao menos lá teriam o reconhecimento que não têm aqui.
 
Os Sinos da Glória é o nome da historieta que vem a seguir, escrita por Alberto Paroche e ilustrada por Ignácio Justo. Um pequeno conto de humor negro, onde um soldado vai para a guerra sob promessas e juras de amor eterno de sua amada. Por duas vezes, pessoalmente e por carta, a mulher diz que jamais vai esquecê-lo, e que não o abandonaria jamais, mesmo se na guerra seu amado ficasse cego e aleijado. Não deu outra: em combate, o cara fica cego e mutilado. Retorna ao Brasil confinado numa cadeira de rodas e incapacitado de ver a festa popular na recepção dos pracinhas – pior que isso, fica sabendo que sua amada casara-se com outro e o esquecera. Nosso soldado termina a história abandonado, infeliz e solitário. Os Recrutas, escrita por R.F. Luchetti e ilustrada por Ignácio Justo, mostra que o individualismo não serve para o campo de batalha; em As Pequenas P.T. (um tipo de lancha náutica, não confundam esta sigla com aquela do execrável partido político que hoje em dia pensa dominar o país), Salatiel de Holanda nos apresenta uma batalha naval no pacífico entre forças norte-americanas e japonesas.
 
Encerra este portentoso gibi a HQ O Castelo Maldito, escrita e primorosamente ilustrada por Ignácio Justo, dando a cada página a qualidade de uma obra-prima emoldurada, destinada a ficar para sempre na memória dos felizardos que puderem contemplá-las. O roteiro não fica muito atrás e apresenta uma história de guerra com nuances de terror – algo muito utilizado posteriormente nos gibis gringos, em títulos como o Weird War Tales da DC (publicada no Brasil pela Ebal como Terror em Combate). Um soldado acovardado e desgarrado de seu grupo vai parar num castelo onde se depara com um fantasma que parece ser um espírito maligno. Tão apavorado fica, que os tiros e bombas das tropas inimigas já não parecem tão assustadores, e daí se mostra um valoroso combatente.

 Do mesmo colunista:

Raimundo Cangaceiro

Almanaque Assombração

O Justiceiro da Estrada

Almanaque Astronauta #2: ficção científica de primeira

Targo, o Tarzan brasileiro

Pabeyma: como o futuro era visto no passado

Zhor - O Atlanta: mitologia e ficção científica

Ophidya, de E.C. Nickel, e os terrores da Sobrenatural

Pelotão Suicida: Histórias da Segunda Guerra Mundial

Fantar: HQ de e para fãs de filmes de monstros

Historieta: o excelente fanzine que virou (uma) revista

Guerreiro Ninja: Quadrinhos de artes marciais

Tralha: Marcatti, Mutarelli & Cia.

Bang-bang Brasiliano

Saudades da Chiclete com Banana

 Veja também:

Lançamento: Máscara Noturna #2

Resenha: Máscara Noturna #1

SM Editora: Incentivando o quadrinho nacional independente

Resenha: Artlectos e Pós-Humanos #1

Preview: Artlectos e Pós-humanos #1 de Edgar Franco

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2017 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web