NewsLetter:
 
Pesquisa:

Entrevista: José Pinto de Queiroz Filho
Por Marcio Baraldi
22/05/2011

“A idade enruga o rosto, mas a perda dos ideais enruga a alma!”

Nada como a voz da experiência! Por isso é sempre bom conversar com um homem vivido como o José Queiroz, renomado psiquiatra baiano e, de longe (apesar de sua modéstia em não reconhecer-se como tal), um dos maiores experts em Quadrinhos da Golden Age (período compreendido entre o final dos anos 30 e meados dos 50) no Brasil. Queiroz é editor do mais longevo e respeitado fanzine sobre o assunto no país, o “Portal do Encantamento Zine”, que já edita há longos 17 anos. E apesar de até hoje não conhecê-lo pessoalmente, é como se fosse um velho amigo de boteco, pois nossos intercâmbios por email, fone e troca de publicações nos aproximou e nos harmonizou instantaneamente, desde seu início, há cerca de dez anos atrás. Eu, como um grande interessado em fanzines, publicações independentes e, sobretudo, na história da HQ (sobretudo a nacional), não podia deixar de me interessar por seu excelente trabalho junto ao Portal. Convivendo virtualmente com o Queiróz, descobri então que tinha em comum com ele outras tantas opiniões, como a defesa do vegetarianismo e a antipatia extrema pelo capitalismo bestificante e predatório. Confesso que nem todos seus posicionamentos coincidem com os meus, alguns divergem completamente, porém Bigorna fez questão nestes sete anos de ser absolutamente democrático, dando voz a todas as opiniões possíveis sobre todos os assuntos imagináveis. No mais, é sempre saudável ouvir opiniões e causos de pessoas inteligentes, civilizadas e bem-vividas como o Queiróz, que certamente sempre tem algo relevante para dizer ou acrescentar a alguma discussão. Comprovem tudo isso nesta entrevista exclusiva, onde o mestre reflete sobre inúmeras questões, desde a relação entre os Quadrinhos e a necessidade nostálgico-afetiva do ser humano,passando pela estupidez do consumo de carne, e culminando na (in)existência de Deus. Como um bom psiquiatra, Queiroz disseca a mente humana, a chacoalha e tira dela coisas que até Deus (ops!) duvida! Como dizia um outro inesquecível baiano “Enquanto Freud explica, o Diabo dá os toque!”. Explica aí pra gente, Queiroz!

1 – Bom dia, Mestre Queiroz. Como começou sua paixão pelos quadrinhos? Você também foi um daqueles garotos que aprendeu a ler com os gibis?

Tudo começou nos idos de 1944 quando meu pai, que era caixeiro viajante (vendedor em trânsito pelo interior), retornou de uma de suas viagens carregado, como sempre, com alimentos. Lembro-me que um deles estava embrulhado com folhas de gibi, eram páginas de “O Guri” (na época, os balconistas de armazéns costumavam enrolar carne, farinha, açúcar, feijão, etc, com páginas de gibis). Atraído pelo desenho e pelo colorido, não sei qual o mais tentador, apanhei as páginas e me dirigi para um lugar tranquilo onde vi e revi – ainda não sabia ler – os personagens de papel, até então desconhecidos para mim que, aos meus olhos, adquiriram vida. Foi amor à primeira vista! Sobre a segunda pergunta, certamente, o gibi contribuiu para a minha alfabetização.

2 - Você pegou uma época em que os quadrinhos estavam vivendo um auge no Brasil e no mundo,com muitos títulos, muitos personagens populares e altas tiragens. Conte um pouco dessa época e quais eram os gibis mais importantes e expressivos desse período no Brasil.

Não tive o privilégio de viver a época do começo das HQs no Brasil. O Tico-Tico, a primeira revista oficial de quadrinhos deste país, foi lançado em 1905, eu ainda nem tinha nascido. Só fui ter o meu primeiro contato com os quadrinhos em 1944. Entretanto, tive a sorte de ter um amigo na infância, o Bento, que era filho de família abastada, colecionador apaixonado de revistas de quadrinhos e que possuía muito dinheiro para comprá-las. Por causa dele tive acesso a gibis novos e antigos – os dos anos anteriores a 1944, por exemplo – o que me propiciou “conviver” com os principais personagens que foram publicados na época. Foi assim que conheci Buck Rogers (1929), Brick Bradford (1933), Dick Tracy (1931), L’il Abner (Ferdinando, no Brasil), Superman(1938),Batman (1939). Na sequência, surgiram Capitão Marvel, Tocha Humana, Namor, o Príncipe Submarino. Destaque também para as criações de Alex Raymond – Flash Gordon, Jim das Selvas e Agente X. Mas houve muitos outros heróis e super-heróis das várias editoras que foram populares no Brasil naquela época, como Bomba Humana, Coringa, Condor Negro, Magno, Falcão Negro, Raio, Espionagem, Bozo, Guarda Raul, Justiça Invisível, Meia Noite, Espírito, Archeiro (editora Quality); Titan, Justiceiro, Invencível, Cometa, Vingador, Escudo e Bob, Drago e Roy (editora MLJ); Família Marvel, Comando Ianque, Águia Fantasma, Capitão América, Íbis, Flecha Dourada,Hércules (Minute Man), Hércules (Spy Smasher), os Aventureiros, Homem Bala (editora Fawcett); Kionga, Sheena, Tigrana, Tabú, Auro Lorde de Júpiter, Flint Baker, Pirata das Estrelas, Mundo Perdido, Wambi ( editora Fiction House ), enfim, a lista é extensa...
No início de 1942 existiam nos EUA 143 revistas de HQ, lidas mensalmente por 50 milhões de pessoas, enquanto no Brasil, país sem estatísticas confiáveis, só posso afirmar que as revistas de HQ de maior circulação na Era Dourada foram: o “Gibi trisemanal”, o “Gibi Mensal”, o “Globo Juvenil tri-semanal”, o “Globo Juvenil Mensal” (todos de Roberto Marinho), o “Guri Cômico e Mensal” (de Assis Chateaubriand) e o “Zorro” (Lone Ranger), da EBAL, de Adolfo Aizen.

3 - Você se tornou um dos maiores especialistas em Golden Age do Brasil. Quais são as maiores virtudes dos Quadrinhos dessa época? E os maiores defeitos?

Agradeço o elogio do amigo, mas não me considero “um dos maiores especialistas em Golden Age do Brasil”. Classifico-me apenas como um admirador das histórias em quadrinhos, que se motivou a estudar as HQs como um agradável passatempo - destacando as da Idade de Ouro sem esquecer também as mais recentes. Gratifica-me sobremaneira ler, analisar e comentar as HQs porque elas funcionam como uma verdadeira ponte ligando o presente ao passado, propiciando-me o reencontro com as lembranças da infância e da adolescência. Na verdade, ao revisitar os quadrinhos que li no passado, busco reviver os tempos ditosos da criança que fui. Quanto a analise crítica desses gibis, bem, vamos começar pelos defeitos, então:
Os primeiros autores (editores, roteiristas, desenhistas) tiveram de se submeter a um duro aprendizado para se familiarizarem com a nova mídia. Por isso, cometeram numerosos erros de trajetória. Convém lembrar que, no seu surgimento, os quadrinhos eram publicados nas páginas de jornais e, por isso, tinham de ser simplórios, já que eram direcionados para crianças e imigrantes europeus analfabetos que não entendiam o inglês. Desta perspectiva, os primeiros quadrinhos da Golden Age mostram-se primários e simplistas quando comparados com a estética, a beleza das imagens e os roteiros adultos e inteligentes dos gibis atuais.  É por isso que costumo dizer: no embate entre quadrinhos e cinema, com poucas exceções, a nona arte atual está muito mais amadurecida do que a sétima arte – que sobrevive de blockbusters para adolescentes com filmes de Harry Porter, vampiros, violência extremada, etc.

Hoje, analisando os traços toscos e mambembes dos desenhistas iniciantes, é curioso verificar que muitos deles se converteram em excelentes artistas.  Cito como exemplo Milton Caniff. Basta cotejar os traços duros e sem qualidade de seus primeiros desenhos de “Terry e os Piratas”, com os subsequentes que o consagraram. Em contrapartida, também existiram artistas de comics que desde o início já apresentavam um belo traço, firme, personalíssimo e até genial como Winsor Mccay (Little Nemo), Alex Raymond (Flash Gordon), Hal Foster (Príncipe Valente) e Burne Hogarth (Tarzan).

Já em relação às qualidades desta época, considero que os autores pioneiros tiveram uma vantagem única, que nunca mais será reproduzida; refiro-me ao contexto sócio-econômico-cultural que emergiu em 1929/30 nos EUA – a primeira grande depressão capitalista e a eclosão da 2ª Guerra Mundial -, com as características que propiciaram o nascimento do gibi! Naquele momento histórico, ímpar, apossou-se das mentes dos pioneiros da nova arte um elã intenso e visceral que fez surgir um caudal ininterrupto de criatividade, nunca antes visto.  Mobilizados, os autores conseguiram integrar imagem e texto numa mídia, ainda em estado elementar, utilizando o talento individual e muita imaginação criativa para moldar a arte recém-nascida. Tiveram, ainda, discernimento suficiente para utilizar como fonte de inspiração o que existia na época: temas e personagens de “pulps”, cinema, novelas, romances, histórias de aventuras, policiais, detetives e até da literatura clássica.

Enfim, este é o balanço que faço entre os defeitos e qualidades daquela fase específica dos Quadrinhos.

4 - Você é um psiquiatra conceituado e professor universitário na Bahia. No que a psiquiatria lhe ajudou a melhor compreender e analisar o fenômeno dos Quadrinhos?

Os autores dos quadrinhos mais adultos e reflexivos sempre privilegiaram a teoria psicanalítica para compreender heróis e vilões. Já fui psicanalista mas deixei de sê-lo por discordâncias científicas, mesmo assim a psiquiatria me propiciou analisar os dramas e as comédias humanas narradas na linguagem encantada das HQs, criticando, revisando e refletindo sobre a transformação de costumes e de conceitos básicos de cidadania, ecologia, vegetarianismo, e o respeito à vida de todo ser vivo. Também me ajudou a acompanhar reflexivamente a luta interminável entre heróis e vilões, luta que simboliza a eterna pendência entre o Bem e o Mal.

5 - Você é um grande colecionador de HQs. Quantos títulos você tem na sua casa, e quais seus critérios para comprar e guardar um determinado gibi?

Na verdade já fui um grande colecionador de gibis, mas no decorrer da vida perdi muitos deles. Emprestados, esquecidos, estropiados e até dissolvidos por uma inundação. Hoje possuo alguns exemplares das décadas de 70, 80 e 90 e cerca de apenas uma centena da década de 40. Na verdade, estou vivendo, agora, um problema. Pretendo doar os meus gibis para uma instituição apta a guardá-los, mantê-los e divulgá-los, mas ainda não a encontrei. Se alguém puder me ajudar com isso, me contate por gentileza.

6 - Quais são os gibis mais raros e valiosos da sua coleção?
 
Os mais raros para mim são, por sua importância histórica, os exemplares dos anos 40 e alguns destaques dos anos mais recentes.

7 - A seu ver, quais foram os gibis mais importantes de todos os tempos no Brasil? E qual a editora de quadrinhos mais importante da história brasileira. Por quê?

Os mais importantes foram os primeiros lançados no Brasil, por terem sido responsáveis pela formação do hábito de ler e de se comprar gibis. Para mim, devido a seu pioneirismo, a editora de quadrinhos mais importante do Brasil foi a RGE, de Roberto Marinho, que inclusive conseguiu emblematizar as revistas de quadrinhos com o nome de “Gibi”.

8 - Quando você decidiu criar o fanzine “Portal do Encantamento”, especializado em Golden Age? Você teve algum outro fanzine antes dele?

A primeira edição do “PORTAL Zine” foi publicada no terceiro trimestre de 1994 (jul/ago/set). Tinha capa a cores e um conteúdo diversificado. A idéia surgiu logo após eu ter publicado o livro “Quadrinhos, Portal de Encantamento” e o fanzine, desde então, tem sido uma espécie de continuidade do livro. E nessa brincadeira lá se vão 17 anos e 74 edições!

9 - Você formou uma turma de fanzineiros de sua geração que foi muito alegre e unida, com o Jorge Barwinkel, o Oscar Kern (ambos já falecidos), o Jose Magnago, o Valdir Dâmaso e outros. Como é, ou era, esse intercâmbio entre vocês? E qual a importância do movimento dos fanzines para a (contra) cultura brasileira?

Na verdade não formei, mas participo da equipe dos chamados “dinossauros dos quadrinhos” (risos). Desde que ingressei no mundo dos fanzines, tive a oportunidade de conhecer pessoas que nunca conheceria se não fossem os fanzines. Pra ser sincero, conto nos dedos os fanzineiros que conheci pessoalmente, um conhecimento, diga-se de passagem, altamente gratificante. Significa que conheci e aprendi a gostar dessas pessoas não pela aparência ou presença física, mas por suas mentes e emoções. Se as tivesse encontrado na rua, talvez nem as olhasse pela segunda vez. E isto seria muito triste. Encontrei no mundo dos fanzines pessoas que realmente tocaram a minha sensibilidade de múltiplas formas, e me tornaram melhor do que era antes. Por isso, enquanto viver conservarei dentro de mim as lembranças de Jorge Barwinkel, Umberto Losso, Valdir Dâmaso (estes são alguns dos que conheci pessoalmente), Anibal Barros Cassal, José Magnago, Oscar Kern, Carlos Modesto, Divino Rodrigues, você, amigo Baraldi, e muitos, muitos outros. Na verdade, aprendi com todos vocês a cultivar uma interação sincera, desinteressada e saudavelmente amigável. A nossa amizade é tão autêntica e intensa que quando um de nós se vai, fico menor e mais vazio.

Sobre a contribuição dos fanzines à cultura (e a contra cultura) brasileira existem alguns dedicados exclusivamente aos quadrinhos tupiniquins, exercendo com denodo a contracultura (você, amigo Baraldi é exemplo de ponta do exercício da contracultura nos quadrinhos; um outro é o Edgard Guimarães). Os editores da Golden Age sempre disponibilizaram espaço em seus fanzines para divulgar e defender os trabalhos dos autores brasileiros (editores, roteiristas e desenhistas). Cito três exemplos: Barwinkel, Oscar Kern, Eduardo Cimó e o autor destas linhas.

Na verdade, os fanzines da Golden Age tem alguma importância porque além de resgatar os quadrinhos de antanho para as novas gerações, funciona como um veículo de promoção e divulgação dos novos valores dessa arte, contribuindo assim para vender mais gibis.

10 – Eu ia mesmo te perguntar sobre seu livro "Portal do Encantamento". Fale um pouco dele. Você tem outros livros lançados?

Em 1991, publiquei o meu primeiro livro: “Função, disfunção e controle da mente humana: Fundamentos de Psiquiatria para a clínica diária”, com 958 páginas! Compêndio que versa sobre a prática psiquiátrica e é direcionado para o médico e para o estudante de medicina.

Em 1994, foi a vez do “Quadrinhos, Portal de Encantamento”. Com 174 páginas, em preto e branco, e a proposta de se tornar um arquivo da narrativa da fantástica saga dos quadrinhos privilegiada por imagens e secundada por texto.

Em 2001, publiquei o terceiro livro, “A magia do cinema”, em parceria com o amigo Ricardo Silva, fã de cinema, graduado em engenharia elétrica e mestre em ciência de computação. Não é à toa que o livro tem duas partes distintas e complementares: a tecnológica – que aborda o processo técnico de se fazer um filme, e a vivencial – que descreve, reflexiona e comenta as grandes películas de Hollywood objetivando compreender mais profundamente as suas temáticas.

Hoje, 2011, tento concluir um quarto livro focado nas técnicas, táticas e estratégias que devem ser utilizadas na comunicação entre o médico e o paciente nos vários settings de atendimento – consultório, ambulatório, hospital.

11 - Você sempre se manifestou como ateu. Você ainda mantém essa postura ou hoje suas crenças são mais flexíveis?

Durante a minha infância fui obrigado a acreditar num Deus que me foi imposto por aqueles que me ensinavam a religião - meus pais, meus professores e o sacerdote do bairro, numa época em que era ingenuamente crédulo e ainda não tinha maturidade intelectual suficiente para contra argumentar. 

A metodologia que eles utilizavam fundamentava-se no temor de Deus (ele está em toda parte e pode ver tudo que a pessoa faz, por isso, costuma punir as crianças desobedientes); no medo de Deus (não ouse pecar nem em pensamento, porque ele sabe tudo e pode tudo); e no horror aos castigos de deus (os que não obedecem ou não crêem nele, ao morrer vão direto para o inferno). Tudo dito numa atmosfera de rituais encantatórios e sagrados dos tipos: primeira comunhão, missa dos domingos, confissão, mês de Maria, domingo de ramos, etc. Por isso, sempre me soa ilógico quando escuto alguém dizer que uma criança é católica, é protestante, é espírita, é umbandista, etc... As crianças não são religiosas, os pais é que são!
Com o amadurecimento intelectual e a aquisição de mais conhecimentos sobre as coisas, as pessoas e o Universo, fui me instrumentalizando para desenvolver um raciocínio crítico sobre a religião. Terminei por substituir a crença imposta na infância pela descrença adulta e racional. E o que mais pesou nesta decisão foi a constatação de que o Deus (criado pelo homem) que me foi apresentado na infância como onisciente, onipotente, onipresente não passa de um delírio coletivo irreal, inconsistente, irracional e inútil.
Passei, então, a julgar o meu semelhante tomando como referência a minha condição de ateu. Costumava pensar: “Se você não acredita em Deus, é um irmão confiável. Se acredita, é um ser humano ingênuo, louco, desprezível, ignorante”.

Felizmente, evolui mais, até atingir um novo patamar no qual a idéia da existência ou da inexistência de Deus deixou de ter importância para mim.  E, por isso, parei de me julgar e de julgar o outro referenciado na credulidade ou incredulidade. Hoje, confesso, não sinto falta de um Deus, de qualquer crença, nem a necessidade de cultuar o sagrado e a transcendência das coisas. E assim estou vivendo.

12 - Você é um vegetariano convicto. A opção vegetariana cresce a cada dia entre as pessoas. Acredita que chegará um momento em que os cadáveres de animais serão definitivamente banidos da alimentação humana?

Como tantos outros seres humanos, desde a mais tenra infância, fui condicionado a consumir cadáveres de outros seres vivos. E passei a comê-los ciente de que se tratava de um ato absolutamente normal por ser reconhecido e estimulado pela sociedade de todas as épocas e validado pela ciência e pela religião. Nunca refleti autonomamente sobre o tema. Na sucessão, ocorreram eventos singulares que despertaram a minha atenção para o sofrimento pré-morte dos animais utilizados como alimento. Aprofundando as reflexões sobre o tema, cheguei a duas conclusões. A primeira de ordem ética: não temos o direito de tirar a vida de outro ser, exceto quando a nossa for ameaçada. A segunda de caráter racional: o consumo de cadáveres está trazendo graves ameaças ao ecossistema do planeta; e, em nível pessoal, está tornando as pessoas mais doentes e mais insensíveis ao sofrimento do outro.

O fato de abrir mão de um hábito sinistro mudou a minha maneira de perceber o mundo, propiciando-me respeitar a vida do próximo, qualquer que seja ele. Foi uma decisão pessoal acertada que se contrapôs à corrente nefanda da manada carnívora. E, como acréscimo, me tornou uma pessoa bem mais saudável tanto mental quanto somaticamente. Enfim, hoje não faz diferença se o animal é um cão ou um camarão. Para mim todos merecem ser amados e ter as suas vidas respeitadas!

Sobre se, um dia, o consumo de cadáveres será banido da alimentação do Homo Insanus, infelizmente não tenho qualquer possibilidade de fazer tal previsão. Mas cultivo a esperança de que um dia se cumpra a previsão do sábio Leonardo da Vinci: "Chegará o dia em que a matança de um animal será considerada crime tão vil e condenável quanto o assassinato de um homem. " Que assim seja!
 
13 - O conceito de herói mudou muito da Golden Age pra cá, não só nos quadrinhos, mas na vida real. Você como um psiquiatra, acredita que a sociedade  ainda tem claro o que seja o Bem e o Mal, o certo e o errado? Ou esses valores mudaram completamente?

É elementar, meu caro Watson! As leis, as regras sociais e os valores éticos da Humanidade estão em constante mudança, queiramos ou não. E a mudança se reflete nos quadrinhos modificando os conceitos de heróis e super-heróis. É gratificante para os leitores jovens fascinados com as novas estéticas e os novos costumes, mas não para os mais velhos, que desalentados, perdidos na nova era, insistem em repetir incessantemente: “os gibis do passado eram melhores que os do presente!”. Na minha opinião, as mudanças na sociedade e nos Quadrinhos não são boas nem más, nem justas nem injustas; são inevitáveis, embora possam servir a propósitos vários. Mudar para os quadrinhos, por exemplo, é simplesmente uma questão de sobreviver ao enfrentamento com as novas e desafiantes mídias de entretenimento.

A Humanidade não tem nem nunca teve uma percepção clara do que é o Bem e o Mal, porque são valores relativos que emanam de interpretações, interesses e motivações sócio-político-econômicos de cada sociedade, em dada época. Bem e mal, certo e errado dependem, portanto, do quê, de quem, quando, onde, para quê e para quem.

 14 - Você é um homem de esquerda, um nacionalista e conhece bem a batalha do Quadrinho Brasileiro. A seu ver por que o Brasil não tem uma indústria sólida de Quadrinhos até hoje? Por que continuamos colonizados pelo Quadrinho estrangeiro e não construímos um Quadrinho com nossa própria identidade? Acredita que uma legislação ajudaria a HQB?

Ultimamente, os conceitos de direita e esquerda perderam o sentido que tiveram para mim. Tamanha indiferenciação ideológica tem se refletido sobre o conceito de nacionalismo, hoje, vilipendiado, desmoralizado e desrespeitado toda vez que os governos de esquerda ou de direita violam os direitos das nações e de seus povos. A cada dia, me parece que está diminuindo o espaço de racionalidade nas ideologias humanas. As nações de todos os lilases políticos estão despencando velozmente da decência para a barbárie. Cada questão, cada adesão pró ou contra, sempre são pré-determinadas por interesses políticos e econômicos habitualmente escusos e egoístas. Alerto que não se trata de ruminações pessimistas e sim da constatação de puro realismo. Felizmente, crise não é derrota. É desafio! A idade enruga o rosto, mas a perda dos ideais enruga a alma! Desencantado com as ideologias vigentes tento evitar que os meus ideais – e em relação a eles continuo combativo - sejam contaminados pela decepção que poderá me impedir de continuar lutando em defesa dos direitos constitutivos, intrínsecos e inerentes a todo ser vivo, do qual faço parte; e de pugnar, dentro das minhas possibilidades, pelo direito à vida e a felicidade de cada ser vivo, quaisquer que seja. Inspirado na premissa “se queres mudar o mundo, muda antes a si mesmo”, adotei um lema que me leva a fazer bem a minha parte, em proveito de todos, buscando ajudar na construção diuturna de um mundo melhor para mim e para o meu semelhante.

Sobre os quadrinhos nacionais, de início é preciso que se diga: nenhum leitor tem a obrigação de comprar uma HQ somente porque foi criada por um brasileiro! No mundo capitalista em que sobrevivemos, o sucesso de venda dos Quadrinhos (como de qualquer outra coisa), é consequência da lei da oferta e da procura. A meu ver o grande problema dos autores brasileiros é a notória incapacidade de conquistar, por muito tempo, um número suficiente de leitores capaz de sustentar a tiragem das revistas. Não concordo com a estratégia de luta com as quais costumam reagir – editores, roteiristas, desenhistas - utilizando argumentos como a lei dos 50%. Tais raciocínios camuflam a tentativa de se estabelecer a reserva de mercado para um tipo de produto (arte e comunicação) que não pode ser limitado por leis restritivas. É preciso lembrar que, através do tempo, a produção de HQs brasileiras sempre foi volumosa e obteve, muitas vezes, êxitos nacionais e internacionais, sem necessidade de leis protecionistas. Cito, como exemplos: do passado, A Garra Cinzenta, de Renato Silva; do presente, Turma da Mônica , de Maurício de Souza e da atemporalidade, os trabalhos geniais de Ziraldo, Luis Sá, Jayme Cortez (que era português, mas fez sucesso no Brasil), e muitos, muitos outros, patrícios e oriundos. Convém lembrar, também, o sucesso dos chamados independentes nacionais (você é um exemplo, amigo Baraldi) que às duras penas estão produzindo os seus trabalhos e criando novos leitores.

Acredito que os quadrinhos brasileiros, um dia triunfarão, mas só quando os seus desenhistas, roteiristas e editores produzirem trabalhos de qualidade, com temas universais e desprovidos de ufanismos desvairados, portanto competentes para conquistar o mercado consumidor, seja o nacional, seja o internacional. Quem viver, verá!

15 - Os quadrinhos já foram uma verdadeira mídia de massa vendendo milhões de exemplares mensais tanto no Brasil quanto no mundo. Hoje, no entanto, as tiragens são muito menores, às vezes irrisórias. Foi apenas a internet que roubou os leitores ou as pessoas estão lendo cada vez menos, sejam livros ou quadrinhos?

Na década de 40 a tiragem mínima era de 300 mil exemplares por mês. Hoje, uma tiragem de 3 mil já é considerada excelente. As tiragens consideradas irrisórias em relação às tiragens dos quadrinhos de ontem, parecem-me alentadoras se considerarmos que eles estão enfrentando uma pesada concorrência com as mídias de entretenimento mais dinâmicas e atraentes.

Sobre se as “pessoas estão lendo cada vez menos, sejam livros ou quadrinhos”, parece que sim, mas tal tendência, só pode ser confirmada, se se fizessem pesquisas quantitativas controladas.

16 - Você acredita que, com a crise no Meio Ambiente planetário, o melhor a fazer é substituir as leituras impressas pela digital, para poupar as árvores e o ecossistema?

Acredito que se houver uma política rigorosa de sustentabilidade (leia-se “derrube e plante de novo”) as mídias impressas em papel ainda persistirão por tempo indeterminado, sem causar maiores prejuízos ao meio-ambiente.

 17 - Ok. Se você fosse Ministro da Cultura, o que faria pelo Quadrinho nacional?

Investiria no estímulo à auto-estima e a criatividade de roteiristas, desenhistas e editores – incluindo a ajuda financeira.

18 - Se você tivesse um milhão de reais pra investir no “Portal do Encantamento”, o que você faria?

Profissionalizaria edição, publicação, divulgação e distribuição.

19 - Pra encerrar, se o gênio da Era de Ouro lhe concedesse três desejos, o que você pediria?

1)Que mudasse o cérebro de todos os seres vivos para torná-los capazes de “amar o próximo como a si mesmo”.
2) Que multiplicasse o poder de seus sistemas imunológicos de defesa para fazê-los mais resistentes aos sofrimentos inevitáveis da vida.
3) Que conferisse a todos a imortalidade, complementada com a juventude permanente.

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2017 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web