NewsLetter:
 
Pesquisa:

Entrevista: Dal Santos
Por Marcio Baraldi
15/02/2011

"Preciso ser generoso com os preconceituosos, pois os verdadeiros deficientes são eles!"

O quadrinhista paulista Dal Santos é cadeirante e está na batalha para comprar uma cadeira motorizada para se locomover melhor pelas ruas dessa Paulicéia Desvairada. Dal é bom de traço, versátil, experiente e já viveu mais de uma década exclusivamente de Quadrinhos, tendo trabalhado para muitos jornais e editoras, ofício com o qual criou três filhos. Atualmente o cartunista trabalha com telemarketing e sonha em poder voltar a viver apenas como ilustrador e quadrinhista. Outro sonho dele, mais urgente, é conseguir comprar a cadeira motorizada para substituir sua velha manual que já não aguenta o tranco nas subidas. Por isso, Dal solicita a colaboração de todos os colegas para que encomendem uma caricatura feita por ele, para que ele possa arrecadar a grana necessária e comprar sua cadeira. Os preços das caricas são popularíssimos: a colorida custa R$50,00 e a preto e branco R$40,00.

Portanto, vamos todos deixar de mesquinharia e dar uma força pro nosso colega encomendando uma caricatura com ele, nem que seja pra dar de presente para um parente ou namorada. Eu, que não sou vacilão, já encomendei a minha! O cartunista também agradece qualquer indicação de free-lance que algum colega possa lhe passar. Conheçam agora um pouco mais do Dal, nesse rápido bate-papo com o artista. Da-lhe, Dal!!!

1 - Bom dia, Dal. Você já nasceu cadeirante ou ficou depois? Qual o seu problema físico exatamente?

Em 1963, quando eu nasci, o país não tinha a estrutura que tem hoje na área da saúde. Havia um surto de poliomielite e eu fui uma das vítimas. Minhas duas pernas e o braço esquerdo foram afetados, cresci fazendo o possível para fazer tudo de forma comum, mas algumas coisas eu tive que improvisar, amarrar os sapatos com uma mão só é uma delas (risos)! Digitar com uma mão só também não é fácil.

2 - Como é  a sua locomoção pelas ruas de Sampa com sua cadeira atual? E como a nova cadeira iria te ajudar?

Eu uso hoje uma cadeira tipo triciclo, é uma "hand bike" que eu mesmo projetei e desenhei! Um mecânico do bairro executou o projeto pra mim. Ela tem até marcha, cara (risos)! Contudo nas ladeiras eu sofro pacas pra subir, é um sacrifício danado. Uma cadeira motorizada seria um upgrade na minha vida! Sem falar que ela é super prática para carregar no porta-malas de carros.

3 - Você acha que a cidade está bem adaptada para os cadeirantes? Há rampas de acesso e guias rebaixadas em locais como shoppings e cinemas, por exemplo?

Olha só, eu moro em São Miguel Paulista, Zona Leste, e  aqui a maioria das ruas são planas, mas eu já tomei muito tombo na rua, devido a buracos. O mais recente foi dia 29 de dezembro passado. Sofri uma queda, quebrei a perna e passei o reveillon na cama (risos)! Quanto a acessibilidade, melhorou muito! Os ônibus com piso baixo me deram mobilidade e o metrô é muito funcional, tirando aquele vão entre o trem e a plataforma, que a gente tem que ficar esperto.

4 - Você é casado, tem filhos? Sustenta mais alguém, além de você?

Cara , no momento eu estou separado. Depois de 25 anos juntos com a mulher, eu pirei o cabeção e fui para outras Alemanhas! Nós tivemos três filhos: Dimitry, de 24, Fabrícia, de 22 e Yannick, de 16! Os dois primeiros trabalham e me ajudam como podem, mas eu custeio, ainda hoje, todas as despesas minhas e deles.

5 - Quais são seus artistas e quadrinhos preferidos?

Eu bebi de muitas fontes: adoro quadrinho europeu, Hergé, Manara, Enki Bilal, etc. Curto muito a fase dos X-Men com Joe Madureira e a do Chris Bachallo, curto tudo de Will Eisner e tenho adoração pelo universo de Hanna-Barbera! Atualmente me enche os olhos os desenhos do quadrinhista erótico JAB  na internet, se bem que seu texto é de gosto duvidoso !

6 - Dê uma geral na sua carreira, o que você já produziu de Quadrinhos?

Minha formação é autodidata, coisa de gente teimosa! Eu comecei na profissão mesmo, graças ao cartunista JAL. Em 1986 eu o procurei e ele foi em casa, olhou meu trabalho, gostou e me levou para a Press Editora. Lá, na época, tinha o "créme de la créme" dos quadrinhos nacionais! Passado algum tempo, consegui uma vaga de ilustrador na Gazeta Mercantil, e ainda por cima, no lugar do Paulo Caruso, que tava indo para O Globo. Eu era só um garoto assustado com a recém-paternidade e com o peso de substituir alguém do porte dele, no começo foi tenso mas depois de um tempo foi suave.

Paralelamente a Gazeta eu colaborei com outros jornais e comecei a trabalhar com o Tony Fernandes na extinta editora dele, a Phenix, lá eu fazia humor erótico na revista Udigrudi. Anos depois eu saí da Gazeta, porque eles se mudaram para o município de Tamboré e ia ficar muito longe pra mim, foi quando um primo me levou para trabalhar com o Gilberto Firmino, da Editora Vidente, que  publicava a revista Porrada! e uma linha de HQs eróticas. Ele me deu carta branca para fazer os roteiros e os desenhos das HQs! Ao mesmo tempo eu fazia revistinhas de passatempos e atividades infantis para a editora Noblet. Foi um período muito bom da minha vida, a geladeira tava sempre cheia! Nessa época, até com o Ely Barbosa eu trabalhei, mas em 1997, com uma crise econômica que bateu, parou tudo!!! Caí no ostracismo e fiquei assim, até que em 2005 o quadrinhista Laudo me deu uma chance de fazer uma HQ com a gostosona dos quadrinhos, sua personagem Tianinha! Atualmente eu tô fazendo caricaturas por encomenda e buscando um novo espaço. Eu tenho muitos personagens engavetados, tenho os Aqualegres, que são tritões e sereias que divulgam a causa ambiental e mostram com humor infantil como seria o contato entre nosso  mundo e o deles! Tenho também  O Anormal (que é inspirado no jogador Edmundo), um atleta temperamental que tem um visão muito singular de certo e errado no futebol! Tenho o Asa Negra, que é um pistoleiro da época dos Barões do Café, obstinado e frio, ele tem seu próprio código penal! Enfim, tenho um monte de personagens, mas nunca tive chance de publicar nada deles!

7 - Você não acha interessante criar um personagem cadeirante? Pois você poderia passar suas próprias experiências de vida pro papel, dando mais credibilidade ao personagem. O que acha?

Eu penso nisso, na verdade já até existe esse personagem! O nome dele é Def Quarentão, são piadas e tiras com humor as vezes negro, mas que mostram o universo de um deficiente. Algumas situações são auto-biográficas e erotizadas, até porque as pessoas vêem o portador de deficiência como assexuado, impotente ou dentro de uma aura de pureza que não condiz com a verdade, sabe? Eu gostaria muito de publicar esse personagem, até para informar e provocar a discussão. É um segmento dentro dos Quadrinhos ainda inexplorado e por isso muito vasto! Quem dera que pudesse desenvolver esse trabalho!

8 – Alô, editoras! Chamem o Dal aí pra fazer esse trabalho tão importante!!!!Mas, mudando de assunto, você já passou por alguma situação de preconceito que te deixou muito chateado?

Claro, muitas vezes! Uma vez na galeria São Luís, no centro de São Paulo, um gerente de um restaurante me deu o cartão de um primo dele que tinha um carrinho de cachorro quente lá na rua, só pra eu não entrar no restaurante dele! Outro dia, um dono de um boteco, saiu detrás do balcão furioso ao me ver na porta, gritava para eu sair do boteco porque ele não queria aleijados ali! Essas coisas infelizmente acontecem, mas só me dão a certeza de uma coisa: devo ser generoso com esses seres preconceituosos, pois os verdadeiros deficientes são eles!

9 - Acertou na mosca, man!!! Agora vamos politizar a conversa, na sua opinião, quais são os maiores problemas do Quadrinho Brasileiro? Por que não temos uma indústria sólida de HQs e afins no Brasil ainda?

Olha só, temos gente batalhadora e séria como o Franco de Rosa, o JAL, o Gualberto, entre outros. Tem muita gente de peso que luta muito pelo quadrinho nacional. Eu não sei bem o caminho, mas temos um material excelente para trabalhar. Não há uma forma hoje de criar gigantes como a Marvel ou DC aqui no Brasil, mas já foi provado que se fizermos o que sabemos fazer dá para sobreviver e criar coisas condizentes com a nossa realidade. No dia em que assumirmos o "jeito brasilis" de fazer Quadrinhos tudo vai mudar !

10 – OK. E se você fosse Ministro da Cultura, o que faria pela HQ Nacional?

Ouvi falar de uma lei dos anos 70 para os Quadrinhos nacionais! Pode ser por aí, uma reserva de mercado! Uma lei de incentivo que fornecesse condições dos quadrinhistas  executarem seus projetos, como no cinema e em outras áreas artísticas. Mas precisava ser uma lei sem burocracia porque quadrinho é jogo rápido!

11 - Que mensagem você daria pra quem tem a saúde perfeita e muitas vezes não dá valor pra isso, passando a vida a reclamar de tudo?

Não há muito a dizer, porque, em tese, ninguém nunca se imagina numa cadeira de rodas. É como acender uma lâmpada, ninguém dá valor pra luz antes de se ver na escuridão. Eu cresci assim, me aceito como sou e sempre lutei por igualdade. Lembro que comecei a desenhar por que não podia fazer outras coisas que os garotos da minha idade faziam, jogar bola, correr, etc. Não tenho a intenção de ser exemplo para ninguém, mas se você valorizar tudo que te cerca, com certeza vai ser mais feliz! Respeite-se e conscientize-se de suas limitações, assim vai ver um novo valor no que você é capaz de fazer! Agradeça o ovo frito com arroz de hoje, pois será ele que te dará forças para trabalhar e ter grana, para num dia melhor, você comer um filé á parmeggiana! Tenha respeito pelos defs ( "apelido" para deficientes), procure enxergar além da cadeira de rodas. Quase tudo que você faz eles fazem também, só que de modo diferente, mas com resultados semelhantes. Lembre-se, pela teoria dos seis graus de separação , sempre você terá alguma ligação com um de nós. Viva de modo que o próximo deficiente não seja você!

12 - Bonita mensagem, man! Pra encerrar, se o gênio da cadeira mágica Harry Flint lhe concedesse três desejos, o que você pediria?

Três desejos?!? OBAAA!!! Então, pediria pra  passar um fim de semana inteiro traçando a Juju, do Pânico, a Nicole Bahls e a Sabrina Sato! Não obrigatoriamente nessa ordem (risos)!!! Essas três são meus três desejos (risos)!

Brincadeira, pediria somente para voltar a viver do meu desenho! Não pediria pra andar normalmente porque não me vejo assim, seria jogar fora tanta coisa boa que, por incrível que pareca, a deficiência me trouxe! Prefiro minha parte em dinheiro (risos)!

Contatos com o Dal pelos fones: (011) 2585-6391 ou 9305-6857 ou pelo e-mail dsantos930@gmail.com

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2017 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web