NewsLetter:
 
Pesquisa:

Os Dez Melhores Quadrinhos Para André Diniz
Por Marcio Baraldi
31/01/2011

Bem, já consertei o assoalho que o Arthur Garcia esburacou, o telhado está OK e depois que colei o cartaz com ameaças de maldição e morte na minha porta, ninguém mais ousou bater nela. Enfim, tudo estava na maior paz aqui na redação, quando de repente...alguém bate na porta!!! TOC TOC TOC! Mas QUEM será o atrevido que ousou ignorar meu cartaz tão ameaçador?!? Putíssimo, abri a porta num sopetão e... quem vejo?!? O carioca André Diniz, autor do livro "7 Vidas", que veio trazer a lista dos seus dez gibis preferidos! Ainda mais puto, catei um porrete e dei-lhe nas fuças e... NADA! O caboclo nem se abalou. Dei-lhe nova pancada capaz de derrubar uma onça e...NADA! Juntei todas minhas forças e desferi-lhe golpe tão forte que o porrete partiu-se ao meio e ...adivinhem? O sujeito nem piscou. Aí, calmamente o folgado entrou, entregou sua lista, bebeu todo o Whisky importado que tinha sobre a mesa, comeu todo o caviar com salmão defumado, deu um arroto e foi embora. E eu fiquei ali, sem poder fazer nada, com cara de tacho. É isso que dá arrumar treta com quem tem 7 Vidas, bolas!...

Os Dez Melhores Quadrinhos de Todos os Tempos
Por André Diniz

1 - Frans Masereel e Lynd Ward - conjunto da obra
Mesmo que não trouxesse o nome de quadrinhos, Frans Masereel e Lynd Ward criaram diversas histórias visuais contadas por meio de xilogravuras de uma página inteira na década de 1930. São histórias adultas contadas através de desenhos expressionistas de enorme impacto visual, como sabia se fazer na época do cinema mudo e depois desaprendeu-se (aliás, esses "quadrinhos" também não têm textos). Essas obras geniais e imperdíveis estão todas sendo republicadas nos EUA e podem ser compradas a ótimos preços pela Amazon.

2 - Buda - Osamu Tezuka
Uma série deliciosamente criativa, que me prendeu na leitura, na época em que foi lançado aqui no Brasil, pela Conrad. Foi uma leitura prazerosa, como há muito não acontecia comigo.

3 - Flavio Colin - conjunto da obra
Flavio Colin foi um artista visionário, original e sempre à frente do seu tempo. Um mestre da HQ Nacional, muito admirado mas que, infelizmente, não fez escola.

4 – Spirit - Will Eisner
Em Spirit, Will Eisner dá uma verdadeira aula de narrativa concisa. São HQs que, com apenas sete páginas, marcam mais a gente que muita série de dezenas de volumes.

5 - Desvendando os Quadrinhos - Scott McCloud
Nunca se definiu tão bem a linguagem das Histórias em Quadrinhos como nessa obra fundamental de Scott McCloud! Obrigatória na estante de qualquer quadrinhista!

6 - Yeshuah - Laudo
Creio que nunca houve uma obra fechada de tanto fôlego como essa saga de três volumes escrita e desenhada pelo Laudo. No total, serão cerca de 400 páginas, cada uma extremamente bem trabalhada, sem falar na pesquisa bem aprofundada. E o principal: o autor não se tornou refém dessa pesquisa. Yeshuah é um quadrinho 100% autoral! Também destaco a coragem de se posicionar num caminho mais sutil. Nem é uma versão esculachada da vida de Cristo, nem uma visão religiosa e conservadora. Um trabalho ousadíssimo!!!

7 - Tintim - Hergé
Foi a partir das minhas leituras dos álbuns de Tintim que vi o quanto que os Quadrinhos, aliados a uma boa pesquisa, podem resultar em algo fascinante. E isso fez grande diferença no meu trabalho!

8 - Maus - Art Spiegelman
Um relato riquíssimo e humano sobre o Holocausto judeu, com desenhos crus e expressivos. Sem falar no marco que foi, à época de sua publicação, na luta para que os quadrinhos fossem vistos como algo realmente sério.

9 - Tio Patinhas - Carl Barks
Essa foi minha primeira escola de roteiros! Foi um obstáculo e tanto para Barks criar o mundo dos personagens da Disney nos quadrinhos, é só ver que nenhuma outra tentativa de transposição semelhante teve tanto sucesso. Fazer com que o Pato Donald dos desenhos, marcado pela voz de pato, pelas histórias cheias de movimentos e trilha sonora, tivesse alguma graça nos quadrinhos seria uma causa quase que perdida se não fosse o talento criativo dele, que soube reinventar o personagem e seu universo.

10 - Mad - vários autores
Devorei todas as edições da MAD dos anos 80 (e depois, via sebos, as dos anos 70 também). A seleção de talentos (incluindo os nacionais) e a variedade de estilos de desenho só reforçava o meu sonho de um dia fazer quadrinhos profissionalmente.

Visite o site de André Diniz.

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2017 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web