NewsLetter:
 
Pesquisa:

Meu diploma de mérito Zumbi dos Palmares
Por Bira Dantas
21/11/2010

Em 2002 recebi o diploma de mérito "Zumbi dos Palmares" concedido pela Câmara dos Vereadores de Campinas (SP) pela produção deste um gibi sobre a vida de Zumbi. Foi uma grande honra. Continua sendo uma grande honra.

O gibi foi produzido pelo gabinete do vereador do PT Tiãozinho. O objetivo era fazer chegar a todas as crianças do ensino fundamental de Campinas e criar uma discussão realmente popular sobre o motivo da criação deste feriado. A tiragem do gibi foi de 150 mil exemplares. Centenas de gibis foram coloridos pelas crianças.

A premiação foi noticiada por sites como o Universo HQ e a HQ foi publicada em vários sites e Blogs como Gibiteca, da Natânia; site Nona Arte e ainda aqui.

A importância deste feriado

Muita gente diz, de forma ignorante e preconceituosa, que é um absurdo termos mais um feriado no Brasil. Que se tem o dia da Consciência Negra, deveria ter o Dia da Consciência Branca ou outras bobagens do gênero...

Num almoço de família eu ouvi esta atrocidade ao bem pensar. Calei-me porque discutir com alguém tão ignorante assim iria terminar mal e eu não estava em minha casa. Se estivesse, pediria que essa pessoa se retirasse. O preconceito é burro, perverso, ultrajante e faz minhas tripas virarem.

É importante a gente lembrar que:
1. Os africanos foram atacados, escravizados, presos, torturados, arrancados de sua pátria, separados de suas famílias, sequestrados para países estrangeiros e forçados a trabalhar para seus "senhores" até a morte natural, se não fossem assassinados antes.

2. A "mentalidade comum", recheada de preconceitos tão bem aceitos entre os que não querem pensar muito, diz que o Brasil já tem muitos feriados, que somos um povo preguiçoso e qualquer coisa é motivo para cair o samba, suor e cerveja. Isso é um meio de desqualificar toda a luta dos que foram sempre menos favorecidos.

3. Os trabalhadores - pobres, negros e mulheres principalmente - sempre foram considerados de "menor" valor e impedidos de votar nas eleições. No Brasil Império, só os ricos votavam. E homens.

O Decreto nº 1.331, de 1854 e o aviso Imperial 144, de 1864, proibiam o acesso de escravos a escola, e contribuíram para a exclusão do negro da formação do Estado nacional. Há 78 anos atrás, as mulheres não podiam votar nem ser votadas. Estes estigmas foram criados pela classe dominante, masculina, branca e rica.

Quer dominar a grande massa que faz parte do povo? Desqualifique-o. Faça com que ele acredite que vale "menos". Faça-o dizer que um operário não pode ser presidente do Brasil. Nem uma mulher. Faça-o pensar que se um operário, mulher ou negro chegar ao poder, não será capaz de nada, pois é um fracassado. Faça-o acreditar e repetir bobagens como "o povo brasileiro é preguiçoso, inculto, sem memória e sem educação".

E, se graças à luta deste mesmo povo, for criado o Dia do Trabalhador, 1 de Maio, diga que é o Dia do Trabalho, e não do Trabalhador. Desqualifique-o. Foi isso que FHC fez quando era presidente, dizia que o brasileiro era "caipira", que os aposentados eram "vagabundos" e que os oposicionistas eram "neo-bobos".

4. O dia da consciência branca é todo dia. Os "brancos de olhos azuis" como bem disse o presidente Lula criaram esta crise internacional que quase levou à banca-rota metade do mundo.

5. O dia do homem também é todo dia. Isso está mudando, graças à eficiência das mulheres no mercado de trabalho. Por isso me espanta quando eu vejo uma mulher dizer que é um "absurdo" existir o dia da Mulher ou da Consciência Negra.

Esses dias existem pra gente lembrar que tentaram nos intimidar, tentaram dizer que nós somos fracos e que não podemos nada.

Mas, como disse Obama:
"Yes, we can!"

Quem foi Zumbi

Este site, Opinião e Notícia, fez um bom resumo sobre este genuíno herói brasileiro:

"Há várias interpretações diferentes para o nome Zumbi. Alguns historiadores acreditam que o nome signifique deus da Guerra, remetendo às palavras de origem angolana – N´Zambiapongo, N´Zambi e N´Zumbi – todas significando deus. Outras correntes interpretativas apontam o nome Zumbi como um posto dentro da hierarquia Palmarina. Há ainda a tradução do nome simplesmente como guerreiro.

Mas Zumbi se chamava Francisco quando nasceu, em 1655, no Quilombo dos Palmares, que chegou a abrigar por volta de 20 mil pessoas e se estendeu de Alagoas a Pernambuco. Era para lá que iam os escravos que conseguiam fugir da dominação branca. Durante uma invasão de bandeirantes ao quilombo, Francisco, ainda bebê, foi levado pelos invasores e dado de presente para um padre da vila de Recife. No entanto, à medida que o menino foi crescendo, se deu conta de que era injusto ele ser criado como um filho pelo padre, recebendo educação e bons tratos, enquanto via pessoas com a sua cor de pele serem maltratadas como os escravos eram. Resolveu fugir de volta para o Quilombo dos Palmares, de onde mais tarde se tornaria rei, sucedendo seu tio Ganga Zumba. Zumbi assumiria a luta pela liberdade dos negros até depois do fim da comunidade – exterminada em 1694 por uma expedição comandada pelo bandeirante Domingos Jorge Velho, depois de inúmeras tentativas do governo de Pernambuco de acabar com o quilombo – e morreria em 1695, após ser capturado e torturado por um de seus comandantes, que o traiu.

O dia 20 de novembro é feriado no estado do Rio de Janeiro, e também em Alagoas e em algumas cidades de São Paulo – desde 27 de novembro de 2003 na capital, quando a vereadora Claudete Alves conseguiu que fosse aprovado o projeto de lei 617/01, de sua autoria."

Por isso a importância do Dia da Consciência Negra. O Dia de Zumbi dos Palmares representa mais um passo na luta do povo em ser reconhecido como nação.

Maria Rita Kehl denuncia este movimento contrário, o de fazer o povo reconhecer o "seu lugar" de "subalterno". "Se o povão das chamadas classes D e E - os que vivem nos grotões perdidos do interior do Brasil - tivesse acesso à internet, talvez se revoltasse contra as inúmeras correntes de mensagens que desqualificam seus votos."

Esta raiva contra o Dia de Zumbi é a mesma contra a vitória de Dilma nas urnas e contra o voto dos nordestinos, como a pobre advogada (sic) Mayara Petruso explicitou no twitter: @mayarapetruso: “Nordestisto não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado."

Não satisfeita, Mayara terminou de expor suas perversões morais: @mayarapetruso: “Brasileiros, agora f(...)-se! Isso que da, dar direito de voto pra nordestino.”

Imaginem o que esse tipo de pessoa fala do Dia 20 de Novembro? Meu amigo Elias Aredes diria "é melhor ler isso do que ser cego". Eu diria, talvez fosse melhor não ler.

É amigos, a classe dominante vem incutindo estes preconceitos há MUITO tempo. E a luta está longe de terminar.

Por isso, dou parabéns aos que tentam quebrar esse elo de dominação, como o amigo Cedraz (Turma do Xaxado), que produziu Quadrinhos sobre Zumbi "Resistência e Coragem", e Krisnas e Allan Alex "Zumbi, A Saga de Palmares".

Por isso, considero uma HONRA FANTÁSTICA ter recebido este DIPLOMA ZUMBI DOS PALMARES.

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2018 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web