NewsLetter:
 
Pesquisa:

Arquivos Incríveis: Curupira, de José Lanzelotti e Mirinho, de Antônio Vaz
Por João Antonio Buhrer de Almeida
18/10/2010

O grande ilustrador José Lanzelotti, infelizmente pouco lembrado nos dias atuais, foi um dos mais criativos, versáteis e talentosos quadrinhistas brasileiros. Era especialista em desenhar roupas e tipos brasileiros como cangaceiros, índios, gaúchos, boiadeiros, etc, tudo feito com um traço magistral, e pintado primorosamente com aquarela.

Por conta dessa afinidade com a cultura de raiz brasileira, ilustrou soberbamente, dezenas de livros sobre folclore nacional. Também produziu muitos quadrinhos, em vários estilos, do realista ao cômico. No realista fez, entre incontáveis obras, histórias de aventuras do bando do Lampião e uma esplendorosa versão da lenda indígena da Iara, a mãe d'água, publicada na revista Crás número 1 (Editora Abril) nos anos 70, todas verdadeiras obras-primas do Quadrinho Nacional! Também produziu muita coisa boa no gênero infantil. Como é este caso do gibi Curupira, lançado nos anos 70 pela editora paulista Bentivegna, que mostro aqui na íntegra. Este foi o primeiro número, e talvez o único já que não soube de outros possíveis números, e trata-se de uma tentativa da editora de emplacar um gibi infantil com personagens e histórias 100% calcadas na cultura e folclore nacionais, como bem especifica seu editorial de abertura. Com certeza também se motivou pelo sucesso que o personagem Pererê, de Ziraldo, fazia na época e atacou com mais um personagem folclórico, dessa vez o Curupira. Além da boa intenção nacionalista, o gibi também tinha preocupações didáticas e ecológicas, pois mostrava uma HQ em que o personagem Curupira defendia a floresta e os animais de caçadores "civilizados".

Foi realmente uma pena que este gibi não tenha emplacado, pois ele entra fácil no meu panteão de grandes gibis infantis já produzidos no Brasil. De quebra, mostro apenas a capa  e poucas páginas do gibi Anjinho, que a Ebal publicou em 1964. Uma edição inteirinha de 34 páginas, só com as aventuras de Mirinho, este indiozinho criado por Antônio Vaz.  Provavelmente a Ebal queria testar o personagem junto aos leitores e o encaixou no título Anjinho, já utilizado pra publicar outras HQs, tanto é que já estava no  numero 50 em 1964. Infelizmente mais uma boa tentativa de HQ nacional que não deu certo.

Visite a galeria de imagens dos Arquivos Incríveis aqui.

 

Quem Somos | Publicidade | Fale Conosco
Copyright © 2005-2017 - Bigorna.net - Todos os direitos reservados
CMS por Projetos Web